Comandante das UPPs é exonerado após guerra na Rocinha

Em nota, a assessoria da Polícia Militar informou que a exoneração "faz parte do processo de reestruturação das UPPs anunciado em agosto

Por O Dia

Rio - O comando da Polícia Militar exonerou o coronel André Luiz Belloni Gomes da chefia das Unidades de Polícia Pacificadora, dez dias após a invasão de traficantes na Rocinha. O novo comandante das UPPs é o coronel Samir Vaz Lima, que era subcomandante de área e já foi comandante do 7ºBPM (São Gonçalo) por dez meses. A exoneração já foi publicada no boletim da corporação.

Em nota, a assessoria da Polícia Militar informou que a exoneração "faz parte do processo de reestruturação das UPPs anunciado em agosto". Procurado, o comandante-geral, coronel Wolney Dias, negou que a saída de Belloni tenha relação com o episódio na Rocinha. "A saída já estava prevista", disse.

Comando da PM exonerou coronel da chefia das UPPs após guerra na RocinhaAgência Brasil

Desde agosto, o comando das UPPs passou a ser subordinado ao comando-geral. Além disso, 3.000 policiais administrativos das unidades foram transferidos para batalhões.

A corregedoria da corporação continua investigando a possível participação de policiais militares no deslocamento de criminosos do Morro do São Carlos, no Estácio, para a Rocinha, durante a invasão, conforme O DIA noticiou na semana passada.

Segundo o inquérito, cerca de 100 criminosos entraram no horário de mudança de turno da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), que dura cerca de 20 minutos. Com posse dessa informação, eles se depararam com somente 50 PMs nas bases.

Na época, o major Ivan Blaz, porta-voz da PM, descartou que policiais da UPP Rocinha estivessem envolvidos. “Temos como muito claros os esforços da UPP para impedir a invasão, que sabemos, não se concretizou”, disse.

Últimas de Rio De Janeiro