Mais de quatro mil policiais do setor administrativo estão longe das ruas

Com aumento do número de assaltos, Beltrame anunciou nesta terça-feira reforço no policiamento

Por O Dia

Rio - Levantamento feito pelo 5º BPM (Praça da Harmonia), entre de dezembro de 2015 e março de 2016, revelou aumento na criminalidade e no número de pessoas presas no Centro do Rio. Baseado nestes números — 45 em dezembro, 84 em janeiro, 121 em fevereiro e 67 em março —, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, anunciou, nesta terça-feira, que reforçará o policiamento das ruas com PMs do setor administrativo.

“O trabalho da polícia é grande, principalmente em relação aos menores. Com isso, está claro que prender e punir não está fazendo efeito”, disse Beltrame referindo-se a 89 menores infratores apreendidos em janeiro, na Av. Rio Branco, no Centro. Em fevereiro, 72% deles voltaram a ser apreendidos.

Levantamento da Comissão da Transparência da Assembleia Legislativa (Alerj), em relação aos efetivos de todos os setores da PM, apontou que 4.293 policiais, espalhados por vários setores da administração, estão longe das ruas. Apenas a Diretoria Geral de Pessoal tem 2.722 agentes.

Beltrame anuncia que haverá reforço nos PMs que vão para as ruasEstefan Radovicz / Agência O Dia

Uma das medidas anunciadas por Beltrame, além de deslocar PMs do setor administrativo para as ruas, será usar policiais que atuam na segurança de eventos, como os Gepe, para reforçar o patrulhamento. “Os policiais do expediente vão para as ruas de forma intercalada, eles cumprirão uma cota de policiamento de rua”, afirmou. 

Subcomandante do 5º BPM, o Major Luna Freire disse que houve alteração nos números em relação a 2014, quando foi constatada uma redução de 37% nos roubos de rua, porque PMs recebiam a gratificação do Regime Adicional de Serviço (RAS). Com o não pagamento pelo estado, muitos policiais abandonaram o programa, criando um déficit na segurança.

“Os números de prisão/apreensão cresceram, mas estamos nas ruas. O nosso maior problema são os menores conduzidos às delegacias. Alguns são liberados e voltam a cometer crimes”, pontuou.

A Comissão de Tributação e Controle de Arrecadação da Alerj fez levantamento sobre os gastos do estado com a segurança pública nos últimos 15 anos. De acordo com o estudo, os governadores Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão foram os que mais gastaram. Mesmo assim o número de assaltos no estado aumentou ao longo do período. Nos últimos nove anos o orçamento mais do que dobrou no setor. Em 2006, foram gastos R$ 4,2 bilhões. Em 2015, chegou a R$ 9,8 bilhões.

?Reportagem de Marlos Bittencourt

Últimas de Rio De Janeiro