Coordenador do AfroReggae negocia rendição do traficante Playboy

José Júnior, líder da ONG, se encontrou com traficante mais procurado do país

Por O Dia

Rio - Coordenador do AfroReggae, José Júnior, confirmou neste domingo a participação nas negociações para uma possível rendição do traficante Celso Pinheiro Pimenta, o 'Playboy', no Morro da Pedreira, em Costa Barros, Zona Norte carioca. Em sua página no Facebook, o ativista postou uma foto com 'Playboy' e admitiu que intermediou a entrevista que o bandido mais procurado do país concedeu ao jornalista Leslie Leitão, da revista ‘Veja’.

LEIA MAIS: Traficante Playboy afirma que pensa em se entregar à justiça

Traficante Playboy conversa com José Júnior%2C integrante do AfroreggaeReprodução Internet

“Ele fez questão de focar nos erros que ele cometeu e nos seus problemas. Não sei o q vai acontecer com ele ou o q ele decidirá pra sua vida mas percebi que esse ‘veterano’ de 32 anos ta refletindo o que é melhor pro seu futuro. Eu dei a minha opinião só q a decisão é exclusivamente dele. Que venham os tempos de paz”, escreveu José Júnior.

Segundo o ativista, Playboy teria negado todas as histórias sobre corrupção policial, levantadas na entrevista. “Duas situações me impressionaram bastante, a história de um garoto da Zona Sul trabalhador, que virou o bandido mais procurado do Brasil e a sua lealdade nas relações estabelecidas não fazendo nenhum comentário que comprometa qualquer pessoa seja criminoso, policial ou morador da favela”, escreveu.

Parte da conversa, informou, foi registrada num vídeo, ainda não divulgado. Ao comentar o post, disse ter sido convocado para prestar depoimento na Polícia Civil.

Coordenador cita negociação envolvendo delegado e Ministério Público

Ao responder as críticas de uma usuária do Facebook, o líder do Afroreggae citou o envolvimento do Ministério Público e de um delegado em uma negociação. Tudo começou quando uma internauta criticou a atuação de Júnior em acordos com traficantes para uma eventual rendição.

Líder da ONG cita negociação envolvendo Ministério Público e delegado de polícia civilReprodução Facebook

Escreveu ela: "Sinceramente, acho que o MP tem que chamar você e os jornalistas que fizeram a tal entrevista com este bandido a prestar depoimentos. Por que é isso o que ele é, e não é por que ele não quis citar nomes de policiais, entre outros, que ele vai virar um homem bom. Na minha opinião, você e os jornalistas deveriam responder por associação ao tráfico. Quem se junta com porcos, farelo come..."

E José Júnior respondeu: "O contato foi feito intermediado por um delegado junto ao MP 2 dias depois"

Após a resposta, Júnior foi bombardeado por indagações questionando o motivo de o Ministério Público e um delegado de polícia saberem do encontro e ainda assim não haver a prisão de Playboy. "Pois é como foi intermediado e o cara é o mais procurado e nao houve prisão? Nao há interesse?", escreveu uma seguidora do líder do Afroreggae.

"Já que MP e delegado estão envolvidos, as autoridades estão cientes onde ele está e nao há interesse em pegá-lo!!!! Nós como cidadãos de bem sofremos com isso todo dia bala perdida assaltos...", escreveu outra seguidora. O coordenador da ONG não voltou à rede social para esclarecer as dúvidas.

O DIA Online procurou José Júnior para esclarecer o que seria a negociação, mas ele se negou a falar com a reportagem. No início da tarde desta segunda-feira, o Ministério Público negou as declarações do coordenador do AfroReggae de que tinha conhecimento do encontro dele com o traficante Playboy.

Com informações de Felipe Martins





Últimas de Rio De Janeiro