Teste de preparo físico reprova 85% dos PMs

Programa constatou que maioria da tropa está fora de forma. Para melhorar o condicionamento, policiais farão treinamento reforçado durante seis meses

Por O Dia

Rio - O primeiro resultado do Programa de Condicionamento Físico da Polícia Militar, iniciado em 2013, não é nada animador e evidencia que a tropa precisa suar mais a farda. Após seis meses de avaliações, nas quais 1.514 policiais foram submetidos a exercícios, 85% do total foi reprovado. Ou seja: em média, a cada dez militares que fizeram provas de 12 minutos de corrida, abdominais, flexões e barras, apenas oito alcançaram um condicionamento físico satisfatório.

Inicialmente, a meta da PM era submeter os quase 45 mil policiais da corporação na ativa a um rigoroso diagnóstico até o final do ano. No entanto, os consecutivos eventos realizados no Rio nos últimos meses impossibilitaram testes mais amplos, já que boa parte da tropa foi escalada para trabalhar em turnos de 24 por 24 horas.

Clique na imagem abaixo para ampliar o infográfico:

Maioria dos PMs falha em testes físicosArte O Dia

Por enquanto, foram avaliados militares de oito batalhões (Botafogo, Niterói, Méier, Maré, Ilha, Tijuca, Copacabana e o de Áreas Turísticas), oito Unidades de Polícia Pacificadora (Dona Marta, São João, Babilônia/Chapéu Mangueira, Tabajaras/Cabritos, Borel, Formiga, Andaraí e Salgueiro) e uma Delegacia de Polícia Judiciária Militar. Ao todo, 923 policiais foram reprovados e 591 mostraram que estão em forma.

“Nossa tropa ainda está muito sedentária. O maior índice de reprovação foi na parte de condicionamento. De força, na barra, vemos que eles estão bem, mas na corrida, não. Se eles estivessem bem, não se cansariam para correr atrás de um bandido, para subir um morro” explicou a major Luciana Rodrigues de Oliveira, comandante do Centro de Educação Física e Desportos (CEFD).

A partir de agora, o grupo de reprovados será acompanhado por um policial, formado em Educação Física, que atuará como instrutor em cada batalhão ao longo de seis meses. Ao término deste período de atividades, os policiais serão avaliados novamente.

Meta é melhorar saúde e policiamento

A divulgação do primeiro relatório faz parte do projeto que tem por objetivo da uma vida mais saudável à tropa. Com a bateria de exames médicos e avaliações físicas de cada PM, os instrutores poderão trabalhar com atividades focadas, agindo na necessidade de cada militar.

Atividades realizadas por policiais militares%2C como o rapel%2C requerem um excelente condicionamento físicoErnesto Carriço / Agência O Dia

“Nosso objetivo com os testes e o programa é a saúde e a qualidade de vida do policial. É lógico que, no final de tudo, teremos uma melhora do serviço militar nas ruas”, completou a major Luciana Rodrigues de Oliveira.

A partir de agora, novos PMs serão submetidos ao Teste de Aptidão Física (TAF), que consiste em 12 minutos de corrida, séries de flexões (só para as mulheres), barras (só para homens) e abdominais. Até mesmo os oficiais irão participar do programa.

Dados da Diretoria Geral de Saúde da Polícia Militar diagnosticam que os principais males que afetam a saúde dos policiais e geram o posterior afastamento de suas funções são ortopédicos e cardiovasculares, gerados sobretudo pelo excesso de peso, sedentarismo e tabagismo.

Só no segundo trimestre de 2012, 4.001 policiais apresentaram problemas ortopédicos e 1.458 tiveram doenças do aparelho circulatório.

OS AVALIADOS

BATALHÕES

2º BPM - Botafogo

3º BPM - Méier

6º BPM - Tijuca

12º BPM - Niterói

17º BPM - Ilha

19º BPM - Copacaban

22º BPM - Maré

1ª DPJM - Polícia Judiciária Militar

BPTur - Áreas Turísticas

UPP

1ª UPP/2ºBPM (Dona Marta), 1ª UPP/3º BPM (São João) e 1ª UPP/19º BPM (Babilônia)

3ª UPP/19º BPM
(Tabajaras)

1ª UPP/6º BPM (Borel)

2ª UPP/6º BPM
(Formiga)

3ª UPP/6º BPM
(Andaraí)

4ª UPP/6º BPM
(Salgueiro)

MARÉ E FORMIGA: PIORES DESEMPENHOS

Para alguns batalhões, a análise criteriosa chega a ser alarmante. Nos dados divulgados no Boletim Interno referentes ao mês de junho, onde 288 policiais foram submetidos ao teste de aptidão física, algumas áreas tiveram rendimento muito abaixo da média. Durante as atividades de 26 PMs da 2ª UPP da Tijuca, referente ao Morro da Formiga, nenhum deles conseguiu obter resultado positivo.

No batalhão da Maré, as coisas também ficaram muito abaixo do esperado, demonstrando o sedentarismo de parte da tropa. De um total de 33 PMs, 31 foram reprovados.

Quem também precisa, literalmente, correr atrás dos prejuízo são os militares das unidades do 19º BPM (Copacabana), com 15 reprovações em 18 testes, e a 4ª UPP da Tijuca, do Salgueiro, com 15 “notas vermelhas” em 17 avaliações.

O rendimento dos policiais das Unidades de Polícia Pacificadora surpreende, já que parte da tropa é recém formada, e composta por jovens. Se levados em conta os dados do mês de junho deste ano, que apresentaram alguma melhora em comparação aos números do semestre, com 73% de reprovação, apenas as UPPs de Copacabana, Babilônia/Chapéu Mangueira e Tabajaras/Cabritos, estão bem avaliadas. Respectivamente, elas obtiveram mais de 60% e mais de 50% de aprovações. No todo, foram registradas 210 reprovações e apenas 78 resultados satisfatórios.

O Serviço de Atenção à Saúde da PM foi apresentado para a Secretaria Nacional de Segurança Pública. O programa prevê avaliações médicas, físicas, clínicas, odontológicas, nutricionais e psicológicas. Com a medida, a corporação espera diminuir o número de militares afastados por problemas de saúde e, automaticamente, aumentar o a quantidade de PMs nas ruas, além de melhorar a qualidade do serviço prestado por eles.

Últimas de Rio De Janeiro