Esplanada: decisão do TRF-2 abre precedente para prender deputados por corrupção

Tribunais de Justiça dos Estados podem a partir de hoje ter um respaldo jurídico maior para pedir eventuais prisões de parlamentares

Por O Dia

Brasília - A decisão inédita dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ e ES) foi um recado claro a todos os deputados estaduais do País: Foi aberto o precedente. Com a devida jurisprudência, Tribunais de Justiça dos Estados podem a partir de hoje ter um respaldo jurídico maior para pedir eventuais prisões de parlamentares envolvidos em esquemas de corrupção.

A lição fica, em especial, para a Câmara Distrital de Brasília e para a Assembleia Legislativa do Amapá, que tiveram membros da Mesa Diretora afastados.

Por aqui

Em Brasília, deputados são suspeitos de desvio de recursos públicos, em ação do Ministério Público. E há outras Assembleias na mira da Polícia.

Lá em cima

No Amapá — que já teve até presidente da Casa preso anos atrás — hoje a Assembleia convive com briga de dois grupos de deputados no TJ pelo comando da Mesa.

Maria Mole

Paulo Melo, vulgo Maria Mole na lista da suposta propina da Fetranspor (começou a vida vendendo suspiros em Saquarema) chorou ontem a manhã toda antes da prisão.

É guerra

Se não for na madrugada, será no dia. A Alerj vai revogar a prisão dos deputados Melo, Jorge Picciani e Albertassi. E não vai afastá-los do cargo como determina o TRF.

Cidade$

Pelo comando do Ministério das Cidades, o ministro Gilberto Kassab (Comunicações) tem argumentado que o PSD foi fiel ao presidente Michel Temer nas votações que enterraram as duas denúncias da PGR – e proporcionalmente mais que o PMDB, que cobra a pasta no consórcio liderado pelo presidente do partido, senador Romero Jucá.

Cabra Huck

O Palácio do Planalto tem uma pesquisa que mostra Luciano Huck um forte candidato na região Nordeste. Ele tem avaliação melhor que a de Lula da Silva em alguns Estados. E rejeição mais baixa em todos eles, em comparação com os presidenciáveis já na pista.

Rico Huck

De família judia, Huck também é bem aceito pelos judeus bilionários do Jardins de São Paulo, entre banqueiros e industriais. Mas será difícil ele trocar a tela pelas ruas.

FBI na cola

Pelo ritmo da partida até aqui, Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, será o único presidente de confederação a não pisar na Rússia na Copa do ano que vem.

Haja reza

A comunidade católica de Brasília está revoltada com a abertura da exposição ‘Contraponto’, no Museu da República, amanhã — e que fica até fevereiro. Houve convocação para protesto amanhã e para a “reza de mil Ave-Marias” no local.

Arte x fé

A expo é mostra de coletivo do acervo de um empresário, mas as críticas são contra as obras de Antônio Obá, polêmicas figuras sacras nuas ou com intervenções consideradas desrespeitosas pela Igreja. A CNBB, dos bispos, vai monitorar os humores.

Funai com apito

O Ministério do Planejamento autorizou a Funai a nomear 213 servidores aprovados no concurso da fundação em 2015. São engenheiros, agrônomos, contadores e 202 cargos de indigenista especializado, para comemoração do presidente Franklinberg de Freitas.

Tá bom

A Febraban rebate nota sobre a cobrança de boletos registrados. Informa que a tarifa sobre o serviço sempre existiu, sob fiscalização, e que é exagerado falar em R$ 72 bilhões de lucro líquido. Cita ainda que a Nova Plataforma de Cobrança, implantada em julho, moderniza o serviço bancário — como evitar fraudes e duplicidade na cobrança.

Rio tem jeito

A exemplo de Londres e Las Vegas, o Rio de Janeiro vai ganhar sua mega roda gigante, revelou o colunista Paulo Cappelli, do Informe O Dia. Será um investimento privado, e ficará perto do AquaRio.

Brasil tem jeito

Um dos assassinos do índio Gaudino foi impedido recentemente pela Justiça do DF de tomar posse como (acredite!) policial civil. O processo corre em segredo de Justiça, revelou a colunista Milena Lopes, do Jornal de Brasília.

Ponto Final

O STJ negou ontem recurso do deputado Jair Bolsonaro contra ação vencida pela deputada Maria do Rosário (PT-RS) na Justiça do DF, naquele caso em que ele disse que ela não merecia ser estuprada. Bolsonaro foi condenado a pagar indenização.

Coluna de Leandro Mazzini

Últimas de Brasil